Apendicite e Cirurgia, Entenda essa Relação!

medica apalpando abdomen de mulher com apendicite

Quase todo mundo conhece alguém que teve de ser internado às pressas devido a uma crise de apendicite. Por isso, muitas pessoas têm medo quando começam a sentir dores abdominais mais fortes e já pensam logo que terão que se submeter a uma cirurgia.

Mas será que esse é o único tratamento para apendicite? E, afinal, o que é essa doença? Para entender melhor o assunto, continue lendo!

O que é apendicite e quais são suas causas?

Como o próprio nome sugere, é a inflamação do apêndice — uma pequena bolsa anatômica que fica presa no início do intestino grosso e que se localiza na parte direita do abdômen.

Muitas vezes, ouvimos as pessoas dizerem que o apêndice não tem nenhuma função no nosso corpo. Pode-se dizer que essa é uma “meia” verdade, já que ele atua na produção de anticorpos e também estocando bactérias intestinais importantes no nosso processo de digestão. Apesar disso, a medicina não registrou até hoje nenhum problema quando o apêndice é retirado de maneira cirúrgica.

Nem sempre é possível definir exatamente as causas da apendicite, mas existem algumas situações que favorecem a inflamação, como:

  • Infecções gastrointestinais (como as viroses);
  • Obstrução devido à gordura ou às fezes;
  • Traumatismo do apêndice (que causa a sua ruptura e impede o fornecimento de sangue para a região);
  • Parasitas intestinais.

Quais são os sintomas de apendicite?

Os sintomas podem variar dependendo da idade e da posição do apêndice, mas em geral, o paciente apresenta:

  • Dor em volta do umbigo, do lado direito, e também na parte baixa do abdômen, que começa mais fraca e se torna cada vez mais aguda;
  • Falta de apetite;
  • Apatia, náusea e vômitos;
  • Febre;
  • Diarreia ou constipação;
  • Calafrios.

Qual o tratamento para a apendicite?

O tratamento mais conhecido é a cirurgia — método mais recomendado para as crises de apendicite aguda. Ela deve ser realizada o mais rápido possível para evitar complicações, como o rompimento do apêndice, capaz de provocar uma grave infecção no organismo que pode levar até à morte do paciente.

A técnica mais usada para a remoção do apêndice é a laparoscopia. Nesse procedimento, são feitas 3 pequenas incisões no abdômen e, com isso, a recuperação é mais rápida. Mas esse método não é indicado para todos os casos. Em situações mais graves, a cirurgia abdominal é a mais segura, pois permite ao cirurgião fazer uma limpeza de toda a cavidade abdominal, impedindo outras complicações.

Para aqueles que começam a suar frio só de pensar em uma cirurgia, uma pesquisa realizada na Suécia, pela Universidade de Gotemburgo, pode modificar o tratamento atual. Os estudos mostram que, para os casos menos graves, o uso de antibióticos pode ser tão eficaz quanto a cirurgia, além de diminuir os riscos de complicações.

De qualquer forma, ao começar a ter os primeiros sintomas e desconfiar de apendicite, o ideal é buscar ajuda médica o mais rápido possível.

Como evitar a apendicite?

Infelizmente, não existem maneiras comprovadas de se prevenir a apendicite, mas sabe-se que ela é menos frequente em pessoas que possuem uma dieta rica em verduras, frutas e vegetais, graças ao aumento das fibras e ao estímulo correto do funcionamento intestinal.

E então, ainda tem dúvidas sobre o tratamento para apendicite? Deixe-nos um comentário!

Posts relacionados

1 Response

  1. Eu sou uma pessoa que apadece do apendicite desde 2014 e somente em 2016 descoubriu se que estava com apendicite .sempre ia ao hospital e faziam me a eco.abidominal e o diagnostico sempre dava negativo. Ja se passam 3 mesês que faço tratamentos .no entanto ja nao come muita coisa com fritura .coisas com gorduras.refrigerante.chocolate.algo acído.piripiri.coisas com gás .tenho como alimentacao muita verdura fruta carnes vermelhas etc.e ha melhoria .durante o tratamento aquela bolha de sangue que fica na parte abidominal do lado direito da barriga anticipou o meu circulo mestrual devido ao tratamento .

Deixe uma resposta