Doenças Infantis: Quais são as doenças mais comuns na infância?

doenças-infantis

Que crianças ficam doentes, não há como evitar. Pode parecer contraditório, mas é natural e até bom para a saúde da criança o aparecimento de algumas doenças durante o processo de amadurecimento do sistema imunológico. Isso porque, é a partir do reconhecimento de algumas doenças que o organismo é capaz de desenvolver a resistência e se fortalecer para não contrair doenças com facilidade.

O sistema imunológico é uma parte fundamental do organismo, capaz de combater vírus, bactérias e outros microorganismos responsáveis por gerar enfermidades e expulsá-los do nosso corpo.

Por isso dizem que é benéfico para a criança ser livre para brincar e se sujar. A limpeza em excesso pode prejudicar o desenvolvimento da imunidade em uma época em que o sistema imunológico está em fase de amadurecimento.

Inclusive, essa é a lógica da vacinação. O conteúdo da vacina nada mais é do que o próprio microorganismo que causa a doença sendo apresentado para o sistema imunológico. Como acontece com a vacina contra a gripe. Na vacina, o vírus presente na dose está inativo, o que permite que o sistema imunológico possa combatê-lo e criar defesas para se proteger em caso de novos contatos com aquele microorganismo.

Dessa forma, algumas doenças são necessárias e até mesmo inevitáveis. Outras, no entanto, não são necessárias e devem ser evitadas. Como é o caso daquelas que devem ser prevenidas pela vacinação (inclusive, você pode clicar aqui para conferir todas elas). Mas não é possível imunizar a criança contra todas as doenças. Pensando nisso, para ajudar na prevenção e cuidado dos seus filhos, preparamos uma lista com as doenças infantis mais comuns:

Refluxo

O refluxo é caracterizado pela dificuldade de o organismo manter o alimento ingerido no estômago, devolvendo-o de volta ao esôfago, e causando mal estar e riscos para a saúde. Diferente das outras doenças, o refluxo está relacionado ao amadurecimento do sistema digestivo, e não do imunológico, sendo muito comum nos primeiros meses de vida. Para evitá-lo, algumas dicas podem ser seguidas:

  • Coloque o bebê para ser amamentado na posição vertical;
  • Não deixe que mame o leite ou se alimente em excesso;
  • Mantenha o bebê na posição vertical, incentivando-o a arrotar depois da amamentação;
  • Informe um Pediatra do Bem.

A boa notícia é que o problema tende a diminuir conforme alimentos sólidos forem sendo incluídos na dieta, mas é fundamental que haja acompanhamento de um Pediatra durante o processo.

Catapora, Sarampo, Rubéola e Caxumba

As quatro doenças são causadas por vírus, transmitidos por meio da saliva. Cada uma apresenta sintomas específicos, como febre, cansaço excessivo, manchas pelo corpo, entre outras. A boa notícia é que elas costumam desaparecer espontaneamente em questão de dias. Mas é preciso buscar ajuda médica urgentemente para evitar complicações. Além de evitar problemas maiores, o tratamento é baseado no alívio dos sintomas, por meio de analgésicos, por exemplo. Além disso, é importante evitar contato com outras crianças, repousar e beber bastante líquidos.

Para prevenção dessas doenças a dica é tomar a vacina. Conhecida por Tetra viral, a vacina é uma dose única aplicada quando o bebê completa 15 meses de vida.

Viroses

Muito comuns ao longo da vida, mas principalmente nos primeiros anos, as viroses são resultado dos primeiros contatos com diferentes tipos de vírus, que não eram conhecidos pelo organismo da criança até sair do útero. Geralmente, é difícil identificar o tipo de vírus (por serem muitos) apenas por meio dos sintomas, que costumam ser problemas respiratórios, como resfriados e gripes, ou diarreias, por exemplo. Os vírus podem ser contraídos de diversas formas, como por exemplo pela ingestão de alimentos contaminados, pelo ar ou contato com sujeira. A própria queda na imunidade, devido ao frio ou alguma mudança brusca de temperatura, podem facilitar seu contágio. A boa notícia é que o corpo costuma combater espontaneamente esse problema também. Basta consultar um Pediatra do Bem, repousar e beber bastante líquidos.

Alergias

Existem diversos tipos de alergias e é muito comum que elas já se manifestem nos primeiros meses de vida. Algumas delas podem ser curadas com tratamento precoce e adequado.

A alergia nada mais é do que o sistema imunológico combatendo um corpo estranho que, normalmente, não seria um problema, mas que o organismo do paciente considera uma ameaça.

Alergia respiratória: muito comum entre as crianças, está a famosa rinite, com seus espirros, coriza e congestão nasal, e também a sinusite, com dor de cabeça e dores no rosto, além da congestão nasal e coriza. Essas alergias podem ser desencadeadas por diferentes agentes, como a poeira, os ácaros, o pólen das flores ou os pelos de animais. O tratamento é feito com base em remédios e em manter a criança longe desses agentes para evitar crises.

Alergia de alimentos: é importante ficar ligado! Por afetar o sistema digestivo, esse tipo de alergia pode causar dores abdominais, manchas e coceira na pele e até problemas respiratórios. São vários os alimentos que podem causar alergia: leite, amendoim e trigo (glúten) são apenas alguns deles. Para tratar, é preciso consultar um Pediatra do Bem e retirar o alimento da dieta também para evitar crises.

Alergia de picadas de inseto: caracterizada por coceira, inchaço e vermelhidão, a alergia por picadas pode durar mais de uma semana e deve ser combatida por meio de pomadas ou medicamentos anti-histamínicos, prescritos por um Pediatra do Bem. A boa notícia é que é bastante comum que a criança pare de apresentar alergia ao longo dos anos.

Infecções

Na garganta, no ouvido… a infecção pode ser causada por vírus, bactérias ou fungos e costumam ocorrer pelo menos uma vez na infância, quando no ouvido, ou até 3 vezes por ano nos primeiros anos, no caso da garganta. Geralmente, o principal sinal é a febre. Por isso, é preciso ficar atento!

Na garganta: com febre alta, acompanhada por bastante dor no local (para falar e engolir) e por falta de apetite, a infecção surge geralmente por contato com saliva ou outras secreções infectadas pelo vírus ou bactéria. O organismo da criança é capaz de combater a doença, que regride espontaneamente em questão de dias. Em alguns casos, no entanto, é preciso recorrer ao uso de antibióticos e medicamentos para aliviar os sintomas.

No ouvido: a famosa “dor de ouvido”, ou otite, pode surgir por acúmulo de secreção no canal auditivo (inclusive se o leite materno escorrer até o ouvido) onde as bactérias acabam por se proliferar, causando febre e muito incômodo no bebê. Além disso, pode surgir como otite externa, quando o ouvido não é bem seco e acaba por acumular umidade. Geralmente, é necessário o uso de antibióticos e outros medicamentos para tratar os sintomas.

Não adianta se desesperar. Basta ter sempre um Pediatra do Bem por perto, para tirar dúvidas e cuidar desses pequenos pacientes do bem direitinho!

 

Posts relacionados

2 Responses

Deixe uma resposta