Doenças Sexualmente Transmissíveis

mãos segurando pacotes vermelhos de camisinhas

Já dizia a máxima “quem ama cuida”. Para viver uma vida a dois, mais importante do que comprar presentes, é cuidar da saúde e do bem-estar do casal. O melhor presente não pode ser comprado: uma vida longa e saudável ao lado do amado ou amada. Às vezes nem precisa ser longa. Mas definitivamente precisa ser saudável! Portanto leia abaixo sobre as doenças sexualmente transmissíveis mais comuns entre casais.

Não importa a fase do seu relacionamento, cuidar da saúde é sempre a prioridade. Aqui vão algumas informações e dicas para você demonstrar todo o seu amor nesta data especial.

Doenças Comuns Entre Casais

Compartilhando o mesmo ambiente, alimentos, oxigênio (e a lista vai longe!) fica óbvio que algumas doenças podem vir de brinde no dia a dia do casal. Algumas doenças não são transmitidas apenas por meio do sexo, mas também por meio de ações intimas, prazerosas e simples do dia a dia, como compartilhar a toalha do banho.

Além das tão temidas DSTs, algumas doenças, causadas por vírus e bactérias, também podem ser compartilhadas devido à proximidade e contato constante. É o caso da gripe, caxumba, hepatite entre outras.

Além disso, casais também podem compartilhar os mesmos maus hábitos, o que pode ocasionar em doenças como o aumento do colesterol e da pressão alta, que podem estar ligados à alimentação e à rotina de exercícios físicos.

Cuidar da sua saúde também é cuidar da saúde do seu parceiro!

 

AIDS e outras DSTs

Quando o assunto é DST, a melhor solução é realizar os exames de sangue para detecção assim que o relacionamento começar. Assim, você protege o seu parceiro e garante a saúde do seu relacionamento (literalmente!).

HIV: a mais temida das doenças, por ainda não possuir cura, hoje já pode ser controlada por meio do “coquetel” de medicamentos que impede que o vírus se espalhe. A evolução da doença também depende do sistema imunológico de cada um que é enfraquecido pela presença do vírus. O importante é combater as doenças oportunistas, como a gripe, a tuberculose e a pneumonia, por exemplo. A AIDS não mata. As doenças oportunistas, sim.

Neste caso, o uso de preservativo é fundamental. É preciso evitar qualquer contato com fluídos do parceiro para evitar contaminação. Então, sexo sem proteção nem pensar!

Herpes: provoca manchas e feridas nas mucosas genitais, na boca e diversas partes do corpo. Embora possa ser controlada, a herpes não pode ser eliminada do organismo, podendo se manifestar inúmeras vezes ao longo da vida, em geral quando o sistema imunológico está fraco.

O diagnóstico é feito por meio da observação das lesões pelo médico e exames laboratóriais. Apesar de não ter cura, os sintomas e incômodo podem ser reduzidos por meio de uso de medicamentos antivirais orais ou de uso tópico.

O parceiro leva a vida normal. Contudo, a doença é altamente contagiosa quando as feridas estão “abertas”. Para proteger seu parceiro, é preciso levar uma vida saudável para evitar o surgimento das feridas e ter o medicamento sempre por perto para reduzir o tempo de manifestação dos sintomas quando esses aparecem.

HPV: doença causada por alguns tipos de vírus que provocam lesões e verrugas na vulva, na vagina, no colo do útero, no pênis ou no ânus, podendo levar ao desenvolvimento de câncer. O diagnóstico pode ser feito por meio de exames físicos realizados pelo médico, biópsias ou do papanicolau. Dependendo do tipo de HPV, o tratamento pode ser feito por meio da cauterização das lesões e verrugas ou remoção cirúrgica. Medicamentos que melhoram o sistema imunológico também podem ser eficazes nos estágios iniciais da doença.

Quando as feridas estão expostas, é preciso usar camisinha e evitar o contato com o parceiro para protegê-lo. :) Como o HPV pode demorar para se manifestar, a utilização da camisinha é sempre muito bem recomendada.

Sífilis: causada pela bactéria Treponema pallidum, seu diagnóstico é feito por meio de exame físico e laboratoriais. Pode ser tratada e curada por meio da utilização de penicilina, o primeiro antibiótico descoberto pelo homem, capaz de eliminar a bactéria do organismo.

A doença apresenta três estágios:

  • Sífilis primária: um mês após o contágio, surge o principal sintoma, uma lesão genital sem secreções e com a borda endurecida na região da cabeça do pênis e nos lábios vaginais.
  • Sífilis secundária: a bactéria continua a se reproduzir no organismo e até atingir outros órgãos, provocando feridas e manchas na pele por todo o corpo.
  • Sífilis terciária: com lesões maiores na pele e podendo atingir o sistema nervoso, a doença pode causar problemas neurológicos e até a morte.

Até que a bactéria seja totalmente eliminada, é preciso evitar relações sexuais. Isso pode levar cerca de 15 dias após o início do tratamento.

Gonorreia: causada pela bactéria Neisseria gonorrheae, a doença provoca ardor ao urinar e secreções com odor desagradável na uretra ou na vagina cerca de 2 a 10 dias após o contágio.

A identificação da doença é feita por meio de exames físicos e laboratoriais.Se for diagnosticada corretamente, pode ser totalmente curada por meio da administração de antibióticos orais ou injetáveis.

Nada de relação sexual até que a bactéria seja eliminada do organismo e o parceiro se sinta saudável novamente!

Garanta a saúde do Casal e caso necessário, consulte um Doutor do Bem.

 

Posts relacionados

Deixe uma resposta