ATCHIM! Gripe, Resfriado ou Dengue?

pessoa com gripe resfriado

O primeiro espirro dá o alerta de que fomos infectados por alguma doença viral. Resta saber qual tipo vai nos tirar de nossa rotina do dia a dia. Muitos sintomas dessas doenças são os mesmos ou parecidos,  o que leva a confusões e a tratamentos equivocados.

Para início, sabemos que todas as três doenças, gripe, resfriado e dengue,  são causadas por vírus (estruturas extremamente simples e pequenas do ponto de vista biológico, pois são constituídos de um envelope de proteína e dentro dele o material genético, que pode ser tanto o DNA ou uma estrutura mais simples como o RNA). Se pegarmos a origem da palavra vírus vemos que provém do latim e significa fluído venenoso ou toxina.

Sabendo disso, vamos então entender as diferenças:

Em primeiro lugar, essas doenças são causadas por famílias de vírus diferentes:

  • Gripe está associada à familia influenza;
  • Resfriado à família Rhinovirus;
  • Dengue à família Arbovirus.

Sintomas comuns da gripe, resfriado e dengue

Essas doenças causam muitos sintomas em comum, sendo os principais: febre, dores pelo corpo e articulações (mialgias e atralgias), dores de garganta, coriza e cansaço entre os mais simples.

Com o paciente apresentando estes sintomas, o mais comum  é a confusão entre o resfriado e a gripe e também entre a gripe e a dengue. Então, vamos entender essas diferenças.

Diferenças entre os sintomas da gripe, resfriado e dengue

A maneira mais eficiente de diferenciar os sintomas de cada uma das doenças é ver a intensidade dos sintomas: quanto mais fracos eles forem, mais vamos pensar em resfriado.

Por exemplo, sabemos que o resfriado dura de dois a quatro dias, não apresenta febre ou apenas uma febre baixa (37° C) com alguma tosse, dor muscular e leve dor de cabeça (cefaleia). O mal estar não é tão intenso e a coriza está presente, mas muitas vezes não acompanhada de rouquidão, não impedindo a pessoa de manter sua rotina diária, apesar do mal estar geral.

Já no caso da gripe, os sintomas acabam “derrubando” a pessoa, impedindo-a de exercer suas atividades diárias, principalmente pelo mal estar geral acentuado, a febre alta (em torno de 38° C ou mais) tosse frequente, cefaleia intensa, faringite e a tradicional quebradeira no corpo que dura entre quatro e sete dias.

Uma caracteristica interessante é que diferentemente do vírus do resfriado (que ataca principalmente as vias aéreas superiores como nariz, garganta e sinus), o vírus da gripe acaba por atacar o sistema respiratório como um todo, causando uma doença mais grave e colocando em risco as pessoas mais debilitadas, como as crianças e tambem os idosos. Daí a importância da vacinação.

Sendo assim, vemos mais frequentemente nos casos de gripes complicações que podem levar a pneumonias e até mesmo mortes, algo extremamente raro nos casos de resfriados, em que as principais consequências, quando presentes, são a otite leve, sinusite e bronquite.

A maneira mais simples de entendermos a diferença entre gripe e dengue, é que na dengue não temos tosse, dor de garganta ou espirros , ou seja, acaba não atingindo as vias aéreas. Por outro lado, a dengue pode apresentar uma dor no fundo do olho de leve a intensa, e também manchas e vermelhidão pelo corpo.

Como esses vírus são transmitidos?

Sabemos que temos inúmeros vírus que causam o resfriado,  e que durante a vida temos contatos com eles, o que acaba formando a nossa imunidade, e notamos que com o passar dos anos ficamos menos suscetíveis a este tipo de doença, ao contrário das crianças que apresentam mais episódios de resfriados, pois não adquiriram ainda imunidade especifica a esses vírus.

No caso do vírus da gripe (influenza), eles costumam sofrer várias mutações que acabam “enganando” o nosso sistema imunólogico e causando novos episódios da doença. Podemos dizer que a mutação acaba formando um vírus muito parecido com o anterior o que faz nosso organismo ser mais “inteligente” em organizar a defesa, já que possui algum conhecimento prévio do inimigo.

Quando um virus sofre frequentes mutações ou mesmo uma recombinação de seu material genético, acabamos classificando ele como um novo vírus, levando nosso organismo a ficar sem defesas específicas contra este novo intruso. Quando esta disseminação acaba ocorrendo, temos o perigo das chamadas pandemias, sendo as mais famosas a da gripe espanhola no início do seculo 20 e mais recentemente o temor das gripes aviárias, entre outras.

Por isso a Organização Mundial de Saude (OMS ou WHO, em inglês) mantém programas de monitoramento em todo o mundo juntamente com agências de saúde de países desenvolvidos e em desenvolvimento para poder atuar de forma rápida e segura, e conter um eventual crescimento da doença, principalmente na transmissão das doenças, que tanto no caso da gripe quanto do resfriado, são feitas interpessoalmente por gotículas de saliva.

O mito que o frio acentua ou predispõe ao contágio da gripe ou resfriado tem mais a ver com o fato de que no frio as pessoas acabam frequentando mais ambientes fechados e mal ventilados, fazendo com que um eventual paciente contaminado acabe espirrando ou tossindo no local. Neste caso, os vírus podem atingir outra pessoa em um raio de até 1 metro, propagando assim a doença.

Medidas de higiene pessoal, como a frequente lavagem das mãos, acabam por ajudar a inibir a transmissão, tanto da gripe como do resfriado. 

Já o vírus da dengue é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti.

Qual o tratamento para resfriado, gripe e dengue?

É fundamental que o indivíduo mantenha-se constantemente hidratado, ou seja, aumente sua ingestão diária de líquidos, pois tanto a febre como a coriza intensa aumentam a perda de fluídos do organismo. Por isso é de vital importância a manutenção da hidratação.

Também o uso de analgésicos e antitérmicos podem ajudar a diminuir o mal-estar, lembrando que no caso de suspeita de dengue deve-se evitar o uso de AAS (acido acetilsalicílico), sendo mais recomendado o uso de Dipirona ou Paracetamol.

Descongestionante nasais , xaropes lubrificantes e expectorantes das vias aéreas podem ser utilizados, mas não devemos de forma alguma utilizar o velho hábito de tomar uma injeção de alívio nas farmácias, principalmente se for intravenosa, pois costumam trazer mais malefícios que benefícios levando, inclusive, a outras chances de contrair outras enfermidades como, por exemplo, hepatites.

A utilizacao de vitamina C ainda é controversa no combate à gripe, não sendo ainda consenso entre os médicos. O tratamento específico contra a gripe através da medicação fosfato de oseltamivir, o famoso Tamiflu, só deve ser utilizado sob prescrição médica e, mesmo assim, em casos específicos.

A vacinação, que vamos discutir em detalhes em outro artigo, ainda é a melhor forma de prevenção da gripe, assim como bons hábitos de saúde e alimentação.

Tanto no caso de suspeita  da gripe como na dengue é muito importante o paciente procurar um médico. O Consulta do Bem está à disposição para que você localize o profissional mais próximo, que vai atendê-lo de forma profissional com eficiência e rapidez.

Dr. Carlos Ballarati

Médico Patologista Clínico, Doutor em Patologia e MBA em gestão de saúde

Posts relacionados

Deixe uma resposta