Home Office: como implantar essa tendência na sua empresa?

Home Office: como implantar essa tendência na sua empresa

O que considerar antes de adotar o sistema home office em uma empresa? Como implementar esse programa? Como realizar a fiscalização do trabalho? A empresa é responsável pelas condições do trabalho dentro da residência do colaborador?

O home office é uma tendência mundial que tem crescido muito no Brasil! Segundo uma pesquisa da empresa de recrutamento Robert Half, 44% dos diretores de RH no País afirmam ter aderido à prática nos últimos três anos.

Muitas empresas têm interesse em implantar essa modalidade para seus funcionários, mas ficam em dúvida sobre como começar! O primeiro passo é analisar os aspectos legais e as necessidades da empresa. Com base nisso, é possível definir os objetivos do programa de home office a ser implementado na empresa. Aqui vão alguns aspectos que precisam ser considerados e dicas do bem importantes que vão contribuir com o processo de implantação do home office nas organizações:

Atualize a cultura organizacional

A adoção do home office pode ser bastante simples, apesar de esbarrar em barreiras, especialmente culturais, da empresa. Para rompê-las, algumas ações podem ser necessárias. O ideal é promover uma cultura baseada na relação de confiança entre os colaboradores e a liderança, além da mensuração do desempenho pelos resultados apresentados. Outra ação que pode ser eficaz é mostrar os resultados (dados de crescimento e produtividade, alcance de metas etc) e comunicar experiências bem-sucedidas de colaboradores e líderes nos meios de comunicação interna, reuniões e treinamentos.

Avalie cada caso de forma independente

Antes de qualquer ação, é necessário avaliar o perfil dos colaboradores, garantindo que estão aptos a trabalhar via home office. Isso porque, algumas competências e habilidades são fundamentais para garantir o sucesso da estratégia, como a capacidade de solucionar problemas de forma autônoma, de realização de projetos com cumprimento de prazos, comunicação assertiva, entre outras. Outro aspecto importante é o tipo de função desempenhada pelo colaborador. De forma geral, atividades que demandam pesquisa e criação podem ser bastante adequadas para o modelo, especialmente para profissionais que trabalham de forma independente – o que pode funcionar inclusive para profissionais que desenvolvem trabalhos em conjunto, uma vez garantida a comunicação estreita e organização.

Mantenha o foco em produtividade e resultados

A definição de metas tangíveis, mas competitivas deve ser o alvo do trabalho via home office. A flexibilidade pode ser bem-vinda no que se refere à escolha de horários de trabalho. Contudo, o alcance de metas predefinidas deve ser o foco em qualquer função. O mesmo vale para a manutenção da produtividade, como forma de não comprometer o trabalho da empresa de forma holística. O trabalho home office não pode representar um gargalo para a produção da empresa, impactando negativamente no trabalho de outros colaboradores, com atrasos, por exemplo.

Garanta estrutura adequada e cuide da rotina

Não é porque o colaborador pode contar com o conforto de seu lar, que a empresa deixará de se responsabilizar por sua estrutura. O home office demanda uma estrutura técnica e física adequada para funcionar eficazmente: deve estar isolado das demais dependências da casa, ter um espaço físico dedicado, estações de trabalho equipadas com software para acesso remoto, sistema de segurança e armazenagem de dados. A expansão tecnológica é a principal responsável por permitir o modelo home office. Dessa forma, é fundamental investir em meios de comunicação (ramal telefônico, acesso à internet estável, aplicativos de bate-papo e plataformas de videoconferência) para garantir a conexão e integração do trabalho do colaborador com a empresa.

Além das ferramentas de comunicação remota, também é possível implementar ferramentas de gestão a fim de acompanhar a rotina do colaborador e realizar a fiscalização da jornada de trabalho, como é o caso da adoção de sistemas integrados ao computador que programam seu funcionamento apenas durante o horário de expediente. O gestor pode, inclusive, controlar esses aplicativos, liberando seu uso no caso da necessidade de realizar hora extra. Além disso, por meio de acesso remoto e programas específicos, é possível controlar a jornada do colaborador, incluindo o horário de intervalo para descanso e refeição, por exemplo, acompanhamento que ajuda no controle efetivo do trabalho e prevenção de doenças ocupacionais.

Garantir as mesmas condições de trabalho para quem fica no escritório ou trabalha em casa é o outro passo importante. O ambiente na residência dos empregados deve ser visitado por especialistas da empresa para garantir que as condições de trabalho estão adequadas, atendendo às normas de medicina e segurança do trabalho.

Quer saber mais sobre como o Consulta do Bem pode ajudar a sua empresa? Acesse empresas.consultadobem.com.br 😉

Posts relacionados

Deixe uma resposta