Já ouviu falar no pé diabético?

Já ouviu falar no pé diabético?

Você sabia que pessoas com diabetes têm maiores riscos de apresentar problemas nos pés, como úlceras e infecções? O quadro é tão comum que até recebe um termo específico na medicina: o pé diabético.

Como uma das complicações da diabetes, mais especificamente da diabetes mellitus, ele ocorre quando os níveis de glicemia estão mal controlados e a circulação sanguínea é deficiente.

A realidade é que o pé diabético é a segunda maior causa de amputações de pés no país, perdendo apenas para acidentes. Mas a boa notícia é que é possível preveni-lo porque ele não ocorre sozinho e é muito raro em diabéticos que realizam um tratamento adequado da doença.

O pé diabético ocorre a partir de corte ou machucado no pé, que pode acontecer em uma situação banal, como ao andar descalço, topar com uma cadeira, a partir de uma frieira e por aí vai. Na hora, a pessoa acredita que se trate apenas de uma machucado sem importância. Mas, quando ela percebe, já perdeu a sensibilidade dos membros e a ferida simples já evoluiu para uma úlcera. Contudo, como já dito, o pé diabético também só é comum quando a diabetes é mal controlada. Tratam-se, então, de dois descuidos.

Mas o que é a diabetes?

A diabetes é uma doença crônica caracterizada pela alta concentração de glicose no sangue e acontece quando o hormônio insulina (que é produzido pelas células betas do pâncreas) não consegue desempenhar adequadamente o seu papel de fazer com que a glicose chegue até as células.

Quais os sintomas do pé diabético?

Apesar de a evolução da doença acontecer dentro de semanas, ela não evolui de forma silenciosa, Queimação, formigamento frequente, sensação de agulhadas, dormência e dor são os sintomas típicos do pé diabético. Além disso, é comum perder a sensibilidade nos pés e sentir fraqueza nas pernas.

Mas, embora haja sintomas, não é raro que alguns diabéticos só percebam a gravidade do problema quando este já se tornou uma úlcera ou infecção. Por isso a importância de não apenas controlar a diabetes, mas também observar constantemente os pés para investigar possíveis feridas e ficar atento aos sintomas.

Como tratar o pé diabético?

O tratamento depende do tipo de lesão e de sua gravidade, variando entre utilização de curativos, medicamentos antibióticos e pomadas antimicrobianas, por exemplo. Além disso, é fundamental controlar a diabetes por meio da manutenção de uma dieta específica bem como a administração de insulina. Em casos graves, no entanto, pode ser necessária a intervenção cirúrgica para remover a região do pé afetada e permitir a cicatrização, ou mesmo amputação do pé ou parte dele.

Como evitar o pé diabético?

O primeiro passo para evitar o pé diabético é a adoção de um tratamento adequado contra a própria diabetes. A partir disso, também é importante adotar cuidados especiais com esses membros tão importantes, como por exemplo:

  1. Usar sapatos confortáveis;
  2. Prestar especial atenção ao cortar unhas do pés, para não machucá-los;
  3. Não retirar calos;
  4. Manter os pés sempre aquecidos e protegidos, o que inclui evitar andar descalço ou de chinelos abertos;
  5. Inspecionar os pés inteiros diariamente, com a ajuda de um espelho, à procura de pequenos cortes, feridas, bolhas ou qualquer tipo de alterações, inclusive ósseas;
  6. Procurar um Doutor do Bem se e assim que surgir alguma alteração nos pés.

Com essas dicas do bem anotadas, fica fácil evitar o pé diabético e suas complicações. E lembre-se: qualquer dúvida, consulte um Doutor do Bem.

Quer ter acesso à solução completa de saúde? Acesse: www.consultadobem.com.br 😉

1 Response

Deixe uma resposta