Leite materno: dúvidas sobre amamentação e doação

Leite materno: dúvidas sobre amamentação e doação

A amamentação é a forma de a mamãe alimentar seu bebê.  Ela é uma maneira conveniente e completa de atender às necessidades nutricionais e cuidar da saúde do bebê ao mesmo tempo em que cria laços com ele.

Mas, apesar de ser uma das ações mais naturais da maternidade, pode ser muito desafiadora. Prepara-se e descubra o que precisa saber sobre o leite materno enquanto decide como alimentar o seu bebê!

O que é o leite materno?

O leite materno é o alimento mais completo e nutritivo que pode ser oferecido para um recém-nascido. Ele contém todos os nutrientes, vitaminas e anticorpos que o bebê precisa para crescer de forma saudável. É o primeiro contato com algum tipo de alimento ao nascer e será o único até, no mínimo, o primeiro semestre de vida.

O primeiro leite materno é uma substância chamada colostro. Trata-se de um fluido amarelado, altamente rico em proteína e anticorpos, ou seja, a primeira refeição e imunização contra doenças que o seu bebê recebe ao vir ao mundo. Após dois a cinco dias do nascimento, o leite começará a assumir uma forma mais cremosa até se tornar o leite materno maduro. Nessa fase, ele se apresenta de duas formas: com o aspecto mais claro e ralo, lembrando o leite desnatado no início da mamada (leite anterior) e com o aspecto mais cremoso ao fim da mamada (leite posterior).

Os benefícios do leite materno

O leite materno contém minerais e nutrientes que ajudarão seu pequeno a crescer, se desenvolver e combater problemas como infecções no ouvido, alergias, diarreia e vômitos, pneumonia e obesidade.

E, se você achava que o leite materno é bom apenas para o bebê, aqui vai a grande novidade! O corpo da mulher é muito inteligente. Após o parto, além de produzir o leite materno de forma conveniente para a mamãe, pois não requer preparação e está sempre disponível, ele também estimula a liberação de ocitocina, o famoso “hormônio do amor”, que ajuda o útero a voltar ao seu tamanho normal enquanto fortalece os laços de amor entre a mamãe e o bebê.

Além disso, ela também é o primeiro passo na perda natural do peso ganho durante a gravidez, uma vez que utiliza da gordura acumulada durante esse período para produção do leite materno. Essas gorduras são essenciais para desenvolvimento do cérebro do bebê e para o controle do metabolismo.

E não para por aí! A amamentação ainda ajuda a reduzir o risco de desenvolvimento do câncer de mama e câncer de ovário.

Como é a primeira mamada

Na primeira hora com a mamãe, o bebê está pronto para a sua primeira mamada e a fábrica de leite já está rodando a todo vapor. Mas isso não significa que esse encontro vai acontecer sem desafios. Pode levar algum tempo e esforço para que os dois se acostumem o que será um dos momentos mais íntimos e frequentes entre você e seu bebê.

A verdade é que amamentar pode ser mais difícil do que você imagina tanto para você quanto para o bebê. O importante é não desistir e lembrar que da mesma forma que essa é sua primeira vez, também é a do seu bebê!

Como amamentar?

Na hora de amamentar, a segurança na posição é o que importa. Assim que abraçá-lo pela primeira vez, deixe ele em contato com sua pele para acostumá-lo. Traga o bebê para perto do peito e, assim que ele abrir a boca ou bocejar, posicione o mamilo em direção a sua boca. A aréola deve estar bem posicionada na boca do bebê e, ao ser espremida, liberará o leite. Se for preciso, use o dedo para interromper a sucção e melhorar a posição.

Bebês recém-nascidos mamam a cada 3 horas durante 10 a 15 minutos em cada peito. É preciso acompanhar para ver se o bebê está mamando o suficiente. Por isso, sempre que ele terminar de mamar em um peito, ofereça o outro e observe se ainda está com fome. Se não estiver, ofereça o peito recusado na próxima mamada.

É possível doar leite materno?

É muito comum que as mamães produzam mais leite do que os bebês necessitam. O que é ótimo! Existe uma opção para o leite que sobra: a doação. É possível doar leite materno para os Bancos de Leite Humano, mantidos nos próprios hospitais. Nos bancos, o leite passa por um processo rigoroso de análise e pasteurização para, só então, ser doado para quem precisa.

Quem precisa do leite doado? Os milhares de recém-nascidos prematuros ou com o peso abaixo do ideal (2,5 kg) ou que sofrem com alguns tipos de patologias e não conseguem ser amamentados pela própria mãe.

Como a amamentação pode ser difícil, o ideal é tentar relaxar e não se preocupar demais. Você pode, inclusive, desejar não amamentar. Nesse caso, há outras alternativas disponíveis. O importante é que seu bebê tenha todas as necessidades de nutrição satisfeitas. Converse com um Doutor do Bem e entenda melhor.

Quer ter acesso à solução completa de saúde? Acesse nosso site: www.consultadobem.com.br 😉

Deixe uma resposta