Os malefícios do refrigerante à saúde

Os malefícios do refrigerante à saúde

Você sabia que o refrigerante, aquele participante assíduo e indispensável em festas e confraternizações é, na verdade, um grande vilão para a saúde? Além de ser um fator de risco para doenças diversas, como a obesidade e a pressão alta, ele pode levar a problemas como envelhecimento precoce e infertilidade.

A composição do refrigerante, por si só, já é um problema. Sua fama de engordar não é por menos: ele possui altos níveis de açúcar, o que pode elevar o peso quando o consumo é excessivo. Mas engordar não é o único problema: uma latinha de refrigerante é capaz de reduzir a imunidade de uma pessoa em até 60% por 5 horas.

Além disso, apesar de refrescante, ele não mata a sede, como poderíamos imaginar. Repleto de sódio, ele é um problema para quem possui pressão alta. Sem mencionar que acaba por substituir a água ou um suco natural, elementos fundamentais para hidratação e nutrição do organismo.

Engana-se quem pensa que a versão diet pode ser melhor! Na verdade, o alimento não apresenta nenhuma fonte nutricional e possui excesso de sódio.

Por que tomar refrigerante faz mal? Veja 10 motivos para diminuir o consumo!

Por isso, se você estiver pensando em motivos para diminuir o consumo desse alimento industrializado, aqui vão 10:

1. Diabetes e obesidade

Por possuir quantidades elevadas de açúcar, os refrigerantes aumentam o nível de glicose, isto é, açúcar, no sangue, bem como aumentar a resistência à insulina, hormônio produzido pelo pâncreas e responsável por transportar o açúcar do sangue às células, onde será usado como fonte de energia ou estocado.

Esses dois problemas combinados aumentam as chances de desenvolvimento de diabetes do tipo 2, uma doença crônica caracterizada pela alta concentração de glicose no sangue. Na Diabetes tipo 2, o pâncreas produz insulina normalmente, mas o organismo apresenta uma resistência à ação da insulina que, por não conseguir desempenhar seu papel de forma adequada, gera um acúmulo de altas doses de glicose no sangue – um problema que pode gerar obesidade e aumento de triglicérides no sangue.

2. Pressão alta

Refrigerantes de cola e guaraná possuem cafeína em sua composição o que, quando em excesso no organismo, contribuem com o aumento da pressão. Isso sem mencionar o teor elevado de sódio, que também configuram um risco para quem sofre de pressão alta.

3. Doença cardiovascular

Se existe uma combinação perigosa para o coração, essa combinação é a obesidade com o aumento de glicose e gordura no sangue. Ingerir refrigerante por muito tempo eleva o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, ou seja, problemas que atingem o coração e os vasos sanguíneos (sistema circulatório).

Um exemplo é a aterosclerose, doença caracterizada pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias; o acidente vascular cerebral (AVC), ou derrame cerebral, condição que afeta o cérebro e acontece quando um desses vasos entope ou se rompe, interrompendo a circulação sanguínea e provocando a paralisia da região; e o infarto do miocárdio, também conhecido como ataque cardíaco, doença provocada pela obstrução da artéria coronária por coágulos advindos de placas de gordura.

4. Cárie

A alta quantidade de açúcar e de ácido nos refrigerantes é capaz de causar a erosão do esmalte dentário, uma camada de proteção fundamental para a saúde dos dentes. Uma vez corroída, os dentes passam a apresentar mais sensibilidade e amarelamento, aumentando as chances de doenças da gengiva se desenvolverem.

5. Gastrite

O gás do refrigerante é composto de ácido. Ele é tão ácido que, para neutralizá-lo, são necessários mais de 30 copos de água. Esse mesmo ácido ataca as células gástricas, piorando casos de gastrite (inflamação na parede do estômago) e flatulência (gases). Além disso, seu consumo constante acidifica o suco gástrico podendo elevar as chances de desenvolvimento da doença.

6. Insônia

A insônia se caracteriza pela dificuldade de pegar no sono ou ainda pelo despertar precocemente, o que pode ser causado pela presença de níveis elevados de açúcar e, muitas vezes, cafeína, no refrigerante, o que interfere no ciclo circadiano (ritmo que regula o organismo).

7. Osteoporose

Refrigerantes de cola são um risco para os ossos. Eles são compostos de ácido fosfórico, um composto químico capaz de aumentar a acidez do sangue. Como essa acidez precisa ser controlada, a solução do organismo é utilizar o cálcio que compõem os ossos para neutralizar o aumento, o que eleva a predisposição para o desenvolvimento da osteoporose: uma condição causada pela perda de massa óssea, capaz de transformar ossos fortes em porosos e frágeis, mais suscetíveis a fraturas.

8. Envelhecimento precoce

Além de causar osteoporose, o fosfato acelera o envelhecimento das células, o que gera um impacto no organismo como um todo. Além disso, prejudica outras funções, como as renais e as musculares.

9. Infertilidade

O problema aqui não está relacionado ao refrigerante em si, mas sim às latas de alumínio que contém o líquido. As latas são revestidas com uma resina chamada bisfenol (BPA), substância associada a problemas hormonais que levam à infertilidade, além do desenvolvimento de câncer e obesidade.

10. Câncer

Além de todas as substâncias já citadas, refrigerantes são compostos por outros aditivos químicos (para dar cor e sabor) tóxicos para as células do organismo, o que significa dizer que eles podem agredir as células, aumentando as chances de surgimento de câncer.

 

Quer ter acesso à solução completa de saúde? Acesse nosso site: www.consultadobem.com.br 😉

Posts relacionados

Deixe uma resposta