Prevenção ao câncer de pele: mitos e verdades!

Prevenção ao câncer de pele: mitos e verdades!

Câncer de pele é, de longe, o tipo de câncer mais comum em todo o mundo.

E então você pode pensar: “mas finalmente chegou o verão e a oportunidade de tomar um sol.” Afinal, o que mais combina com o verão do que um bom bronzeado?

Se sua preocupação é desenvolver câncer de pele, se quer entender melhor como se prevenir ou se precisa tomar uma decisão a respeito do tratamento, nós podemos te ajudar!

Câncer significa tumor maligno. O tumor surge quando uma célula do corpo (qualquer uma) começa a se multiplicar de forma desordenada e incomum, invadindo tecidos e órgãos.

Para o alarme dos brasileiros, o câncer de pele responde por 30% de todos os diagnósticos de câncer no país, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). A principal causa é a exposição excessiva ao sol ou outras fontes de raios ultravioletas (UV). Os raios ultravioletas danificam o DNA das células da pele. O câncer de pele começa quando o dano afeta o DNA dos genes que controlam o crescimento das células da pele. Por isso, pessoas que se expõem aos raios UV aumentam o risco de desenvolver a doença.

O câncer de pele pode surgir em qualquer célula da pele e apresenta características e tratamentos diferentes dependendo do tipo de células afetadas. Existem dois tipos gerais de câncer de pele:

  • Pele não melanoma;
  • Pele melanoma.

O tipo mais comum é o não melanoma, correspondendo a grande maioria dos casos. Segundo o INCA, a estimativa de novos casos em 2016 foi de 175.760, sendo 80.850 homens e 94.910 mulheres. Como a pele é heterogênea e formada por diferentes tipos de células, pode apresentar tumores de diferentes linhagens. As células começam a crescer de modo anormal e se dispor em forma de camadas, definindo diferentes tipos de câncer não melanoma. Tipos frequentes são o carcinoma basocelular e os espinocelulares. Contudo, apesar dos muitos casos, sua letalidade é baixa.

O melanoma, por sua vez, é o contrário: trata-se do tipo mais letal, mas muito mais raro, representando apenas 3% de todos os casos de câncer de pele. Ele leva esse nome pois se origina nos melanócitos, as células que produzem a melanina.

A maioria dos câncer é causada pela exposição solar em excesso. Aprenda o que você precisa saber sobre cada câncer para proteger sua pele e o que você precisa saber para descobrir o câncer com antecedência, quando as chances de cura são maiores.

Tipos de câncer de pele

Carcinoma basocelular

Correspondendo a cerca de 80% dos tipos de câncer, o carcinoma basocelular está localizado nas células das camadas mais baixas da epiderme, especialmente em áreas mais expostas ao sol, como o nariz. Ele tende a crescer lentamente e raramente se espalha para outras áreas do corpo, se for tratado. Seu tratamento consiste na retirada do tumor, que costuma se apresentar apenas na forma de um nódulo ou protuberância com a aparência levemente diferente da pele normal. Entre suas características principais estão as cores, que podem ser branca, rosa claro, bege ou marrom, com aparência perolada, parecida com uma ferida que não cicatriza e pode sangrar ou liberar outros líquidos.

Carcinoma espinocelular

Também mais comum nas áreas expostas ao sol, como orelhas, rosto, pescoço, pode esse tipo de câncer surge em regiões que normalmente apresentam sinais de dano solar, como enrugamento e mudanças na pigmentação. O tumor costuma se apresentar na forma de machucados ou feridas que nunca cicatrizam ou verrugas. Geralmente possui coloração avermelhada e pode inclusive sangrar.

Melanoma

Mesmo com chances altas de cura se descoberto nos estágios iniciais, o melanoma tem o pior prognóstico e o mais alto índice de mortalidade. Em geral, ele se manifesta na forma de uma pinta ou mancha na pele, com cor, formato ou tamanho atípicos. Pode ser um sinal novo ou um sinal antigo que sofreu alteração. E também pode sangrar.

Existem ainda outros tipos de câncer de pele. Contudo, são tão raros que, juntos, correspondem a cerca de 1% dos casos de tumores malignos na pele.

Mitos e verdades sobre o câncer de pele

Mitos e informações erradas podem confundir e até mesmo ser perigosos quando o assunto é pele. Não seja confundido! Teste seus conhecimentos com 6 frases comuns sobre câncer de pele.

1. O câncer de pele pode quase sempre ser curado se descoberto cedo.

Verdadeiro! Os tipos mais comuns de câncer e o melanoma costumam ter chances altas de cura nos primeiros estágios, quando ainda está pequeno e não se espalhou para outras partes do corpo. Para isso, é preciso que o diagnosticado seja realizado com antecedência.

2. Câncer de pele é algo que deve preocupar inclusive os jovens.

Verdadeiro! O risco de contrair câncer de pele realmente aumenta com a idade. Mas eles podem surgir em pessoas mais jovens também, provavelmente uma vez que passam mais tempo expostos ao sol. o câncer tipo melanoma é o mais comum entre jovens, principalmente mulheres.

Outro fato importante é estima-se que 70% de toda a absorção de UV ao longo da vida acontece antes dos 20 anos. Dessa forma, a proteção deve começar ainda quando bebê, por meio do uso de filtro solar com Fator de Proteção Solar (FPS) 30.

3. Pessoas com pele escura não precisam se preocupar com esse tipo de câncer.

Falso! Todas as pessoas, com peles escuras ou claras, podem ser afetadas pelos raios UV. Apesar de pessoas com peles mais claras serem mais predispostas a sofrer e apresentar os danos, pessoas de pele mais escuras também podem ser afetadas.

Ter a pele escura diminui o risco de contrair melanoma nos lugares mais comuns, como nas costas. Mesmo assim, qualquer um corre o risco de desenvolver a doença em outros lugares, como na palma das mãos e nos pés, ou até mesmo sob a unhas.

4. Bronzeamento artificial é uma forma segura de se bronzear, pois não causa câncer como o sol.

Falso! A exposição aos raios UV é o maior fator de risco para a maioria dos câncer de pele. Apesar de o sol ser a maior fonte de raios UV, o bronzeamento artificial e algumas lâmpadas também usam UV.

5. Para evitar o câncer de pele é preciso usar protetor solar.

Verdadeiro! Nada de óleo e receitas caseiras. O único capaz de proteger a pele contra os raios UV é o protetor solar. Mas é preciso ter especial atenção ao Fator de Proteção Solar, que deve ser igual ou superior a 30.

Além disso, também é importante contar com o uso de outros acessórios, como o chapéu, óculos escuros (para proteção dos olhos contra os danos que o sol pode causar) e roupas de algodão. Juntos eles são capazes de proteger o corpo da exposição de até 90% dos raios, sendo aliados indispensáveis do filtro solar.

6. O câncer de pele é fácil de perceber, pois sempre começa por um pinta escura.

Falso! O câncer de pele pode surgir em diferentes cores, formatos e tamanhos.

Os tipos carcinoma basocelular e espinocelular são mais comuns em áreas mais expostas ao sol, como a cabeça, pescoço e braços, mas podem surgir em qualquer parte do corpo. Procure por novas pintas, manchas, colisões, remendos ou feridas que não cicatrizam após várias semanas.

No caso do melanoma, o sinal mais importante é o aparecimento de uma pinta nova, especialmente se surgir com características totalmente diferentes das já existentes na pele, ou mesmo se uma pinta antiga mudar de tamanho, cor ou formato.

Para ser capaz de perceber essas mudanças e se prevenir, é importante conhecer bem o seu corpo. Se olhe periodicamente no espelho, observando cada pinta e mancha. Também é importante visitar o Dermatologista regularmente e se certificar de mostrar para o especialista qualquer alteração que possa te preocupar. O exame clínico feito pelo médico é suficiente para identificar qualquer possível alteração e a necessidade de realizar exames laboratoriais.

Por isso, a importância de visitá-lo periodicamente, como forma de prevenção. Consulte um Dermatologista do Bem!

Quer ter acesso à solução completa de saúde? Acesse nosso site: www.consultadobem.com.br 😉

Posts relacionados

Deixe uma resposta