Os dois tipos de Tromboembolismo: lentos e perigosos!

Médico examinando paciente com a meia de alta compressão

O Tromboembolismo, mais conhecido como Trombose, é uma doença lenta, perigosa, e muito mais comum do que se imagina!

Sabe aquele momento em que você faz um machucado e você não vê a hora de parar de sangrar? Quando pára, é porque o sangue coagulou e o fluxo parou.

A coagulação é algo extremamente normal, além de necessário para interromper sangramentos. Porém, o que nem todo mundo sabe é que a coagulação do sangue pode acontecer mesmo dentro das veias e artérias, e em locais onde não houve sangramentos. E isso não é normal, mas é mais comum do que desejaríamos que fosse.

Por algumas razões – como câncer, acidente vascular cerebral (AVC), contracepção oral, varizes e outros distúrbios – lesões na parede do vaso causam alterações no sangue ou redução do fluxo sanguíneo podem levar o sangue a coagular dentro de uma artéria ou veia. Quando o coágulo adere às paredes do vaso, desenvolve-se um trombo que, por sua vez, provoca uma doença chamada trombose.

Dependendo de seu tamanho e localização, o trombo pode provocar diversas consequências, como a obstrução sanguínea, que impede a passagem de sangue para os órgãos, inclusive, o coração – isso é o que chamamos de infarto.

A partir disso, há a possibilidade de formação de dois tipos de Tromboembolismo: o venoso e o arterial.

O que é o Tromboembolismo Venoso?

O Tromboembolismo Venoso acontece quando os trombos são formados em veias – muito comumente nos membros inferiores do corpo, como as pernas.

O trombo pode obstruir uma veia que passa em uma região profunda desse membro, no interior dos músculos, causando sintomas como inchaço do membro, aumento de sua temperatura, escurecimento da pele e rigidez muscular. Não chega a gangrenar, uma vez que a região ainda recebeu oxigênio das artérias não afetadas.

Caso a veia seja profunda, desenvolve-se a Trombose Venosa Profunda, a qual é uma doença extremamente perigosa!

Essa doença pode vir acompanhada de uma outra: a Embolia Pulmonar. Eventualmente, o coágulo (trombo) pode se soltar da veia e ser carregado pelo fluxo sanguíneo até uma das artérias do pulmão, obstruindo a passagem de sangue. Esse processo chama-se Embolia Pulmonar, que é uma doença extremamente perigosa que pode causar um entupimento pulmonar que, por sua vez, pode causar morte súbita.

O que é o Tromboembolismo Arterial?

Quando o trombo se forma dentro de uma artéria, temos uma trombose arterial. Assim como na Venosa, neste caso, o sangue e o oxigênio não conseguirão atingir determinadas partes do corpo, uma vez que a artéria estará obstruída.

A região que não for alcançada poderá tornar-se pálida e fria, e podem surgir dores profundas na área, acompanhadas do endurecimento do tecido subcutâneo. Além disso, podem surgir feridas de difícil cicatrização pela falta de sangue e oxigênio. E, em situações mais graves, se o trombo atingir artérias importantes para a função de órgãos vitais, o indivíduo passa a correr riscos sérios de vida.

 Como tratar o Tromboembolismo?

Se diagnosticada logo no início, as chances de conviver bem com a doença e preservar a qualidade de vida são altas.

O tratamento é focado na diminuição da formação dos coágulos e em “afinar” o sangue, por meio de medicação anticoagulante e uso de meias de alta compreensão para contribuir com o bom funcionamento da circulação sanguínea.

Além disso é recomendável praticar exercícios leves, como caminhadas diárias de 30 minutos para ativar a circulação e aumentar o fluxo sanguíneo, impedindo a formação de novos trombos.

Como prevenir-se contra o surgimento da doença?

Muito comum entre pacientes hospitalizados, devido à falta de movimentação das pernas por exemplo, um dos principais fatores de risco relacionados ao tromboembolismo venoso é a realização de cirurgias. Além disso, a idade, obesidade, gravidez, presença de varizes e uso de anticoncepcional são outros fatores que podem aumentar a predisposição relativa à doença.

Pode ainda haver predisposição genética devido à presença de casos de trombose na família. Neste caso, as mulheres são as mais afetadas. Isso porque os hormônios femininos tendem a estimular o processo de coagulação sanguínea.

Pensando em tudo isso, as Dicas do Bem são:

Mantenha-se sempre ativa. Faça caminhadas regularmente ou outros exercícios que você goste, como pilates ou ioga.

Evite imobilizar as pernas por muito tempo. Quando sentada, movimente os pés sempre que possível.

Quando em pé, não deixe de mexer as pernas para ativar a circulação. O mesmo vale para quando estiver deitada ou hospitalizada!

Em viagens longas, faça caminhadas de 2 em duas horas e veja com seu Doutor a possibilidade de usar meias de compressão ou outros medicamentos.

Se precisar fazer tratamento que envolva hormônios, consulte um Doutor regularmente.

Mantenha o peso ideal.

Evite fumar.

Para saber mais, consulte um Angiologista do Bem! :)

Se você já quiser agendar sua consulta, encontre o doutor mais próximo de você – www.consultadobem.com.br

Posts relacionados

Deixe uma resposta